Nesta segunda-feira (19), os Estados Unidos e o Brasil assinaram um acordo que visa a facilitação do comércio, as boas práticas regulatórias e o combate à corrupção. O presidente Jair Bolsonaro vê essa nova etapa de cooperação entre os dois países com bons olhos e mencionou que também vislumbra um acordo tributário com os norte-americanos no futuro. Em nota conjunta, o Itamaraty e o Ministério da Economia afirmaram que um dos objetivos do pacote é “criar ambiente econômico favorável aos negócios e à reinserção competitiva do Brasil na economia internacional”.

O acordo, assinado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e o representante do Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, são resultado de uma reunião entre Trump e Bolsonaro no início deste ano. O presidente do Brasil demonstrou o seu apoio ao republicano na corrida eleitoral norte-americana nesta terça-feira (20). Um dos pontos estabelecidos no acordo é o mútuo reconhecimento dos Programas de Operadores Econômicos Autorizados (OEA), no qual o Brasil deve entrar em um ano, segundo Guedes.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse ainda que os dois países estão discutindo maneiras de reduzir a dependência brasileira de componentes chineses da infraestrutura de internet 5G. O governo norte-americano alega que esses equipamentos podem trazer risco de espionagem.