arrecadação federal com impostos teve alta real — quando se desconta a inflação — , de 1,97% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2019, chegando a R$ 119,8 bilhões, informou a Receita Federal nesta quarta-feira, 21. Este foi o segundo resultado positivo desde fevereiro, quando a arrecadação com impostos, contribuições e outras fontes de receita da União iniciou movimento de declínio. Em agosto, o governo registrou alta de 1,33%, totalizando R$ 124,505 bilhões. Com o resultado, o recebimento em 2020 acumulou R$ 1,026 trilhão, queda de 11,7% em paralelo a janeiro e agosto do ano passado. Este foi o melhor resultado para setembro desde 2014, quando foram arrecadados R$ 127,4 bilhões.

Segundo a Receita Federal, o resultado do mês passado é reflexo das principais variáveis macroeconômicas que afetam a arrecadação e a redução para zero das alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), estendido até o fim deste ano para mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia. A arrecadação também foi influenciada pelo aumento de 38,9% dos valores compensados, na comparação com setembro de 2019, e a arrecadação extraordinária de R$ 2,5 bilhões do Imposto sobre a Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).