Parentes muito próximos ao senador Flávio Bolsonaro e ao ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz também foram denunciados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no âmbito das investigações da rachadinha na Alerj. Ao todo, o MP denunciou 17 pessoas à Justiça. Além de Flávio e Queiroz, mais 15 pessoas. A esposa do senador, Fernanda Antunes Figueira, foi acusada de ter se beneficiado do suposto esquema de desvio de recursos do gabinete de Flávio na Assembleia do Estado.

Do lado de Fabrício Queiroz, a denúncia envolve a esposa Marcia Oliveira de Aguiar e as duas filhas dele, Nathalia de Mello Queiroz e Evelyn de Mello Queiroz. Todas as três trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro e fariam, com frequência, repasses de parte do salário para o ex-deputado e agora senador, filho do presidente Jair Bolsonaro. Outras pessoas próximas a Fabrício Queiroz e que teriam sido notadas no gabinete de Flávio apenas para participar do esquema também fazem parte dessa lista de denunciados. Alguns dos denunciados já teriam até confessado a rachadinha em depoimento a promotores do MPRJ e disseram que eram funcionários fantasmas.

Fabricio Queiroz e Flavio Bolsonaro foram denunciados por associação criminosa, lavagem de dinheiro e peculato. A denúncia foi encaminhada para um órgão especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. As defesas de Flávio e Fabrício negam que os clientes tenham cometido crimes ou irregularidades e contestam as supostas provas apresentadas pelo MP à Justiça fluminense. O senador Flávio Bolsonaro até usou uma rede social para criticar a denúncia feita pelo MP que, segundo ele, é cercada de erros bizarros. Ele disse ainda acreditar que o órgão especial não vai acolher essa denúncia considerada frágil.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga