Antes mesmo do fim da contagem de votos em parte dos estados norte-americanos, o presidente Donald Trump anunciou mais uma vez vitória nas eleições do país na noite desta quinta-feira, 5, e afirmou que o partido Democrata tenta fraudar a contagem dos votos. “Esse é o caso no qual eles estão tentando roubar a eleição. Não podemos deixar que isso aconteça”, disse, apontando que o partido Democrata tenta usar “votos ilegais” enviados após o dia da eleição – a última terça-feira, 3 – para se eleger. “Na contagem dos votos legais a minha vitória é clara, na contagem de votos ilegais eles podem tentar roubar de nós a eleição”, disse o presidente, que também criticou grandes canais de televisão dos EUA. “Não há uma onda azul como eles previram, no lugar disso houve uma grande onda vermelha”, garantiu. Por pouco mais de 15 minutos, Trump citou uma série de supostas irregularidades presenciadas por fiscais eleitorais em diversos estados do país.

O presidente falou sobre as pesquisas eleitorais divulgadas antes das eleições, citando que a Flórida e Ohio foram estados apontados pela imprensa como pró-Joe Biden a princípio, mas nos quais ele “venceu muito facilmente” no dia da votação. Ele considerou a mídia “corrupta” e afirmou que os dados errados tinham a intenção de suprimir votos republicanos. “Essas pesquisas falsas foram feitas para manter os nossos eleitores em casa”, disse. Ele afirmou, ainda, que “o Democratas é o partido dos grandes doadores, da grande mídia, já os republicanos se tornaram o partido dos trabalhadores americanos”.

Entre os muitos estados criticados pelo presidente, ele falou da Filadélfia, apontada por ele como “o estado mais corrupto” do país. Segundo ele, olheiros foram proibidos de se aproximar da sala de contagem de bilhetes eleitorais no estado. O presidente afirmou, ainda, que “trabalhadores eleitorais” estavam duplicando cédulas de votação no Michigan e desafiou Biden a usar o termo “voto legal” nas suas falas. Trump disse também que alertou a população por meses que enviar votos pelo correio seria “um desastre” e prometeu judicializar o resultado em breve. “Queremos uma eleição honesta, uma contagem honesta, queremos pessoas honestas trabalhando com isso, porque é um trabalho muito importante. Nós achamos que vamos ganhar a eleição facilmente, achamos que vai ter muito litígio, porque temos tantas evidências, tantas provas. Provavelmente isso vai terminar na corte suprema, vamos ver”.

Além de criticar a contagem dos votos nos estados, Trump comemorou vitória de maioria republicana no Senado e a eleição de mais mulheres para cadeiras no local. Ele falou, ainda, que os republicanos tiveram expressivos números de votantes afro-americanos, latinos e nativo-americanos. O pronunciamento, de Trump, que não estava presente na agenda oficial dele, ocorreu poucas horas após concorrente, Joe Biden, afirmar que “não tem dúvidas” de que será declarado vencedor ao lado da candidata da vice, Kamala Harris. Até o momento, o democrata tem 253 votos no colégio eleitoral dos EUA. Ele precisaria de 270 para ser eleito. Trump tem 214 pontos de delegados eleitorais. Ao longo do dia, o republicano postou mensagens pedindo que “parem a contagem” e “parem a fraude”.