O Gran Fratello Vip, a edição italiana do Big Brother, é composta por influenciadores digitais e está dando o que falar na internet, especialmente entre os brasileiros. Responsável por uma das maiores polêmicas do programa, a modelo brasileira Dayane Mello está sendo alvo de críticas e ataques de outros participantes depois de indicar Francesco Oppini – um dos participantes favoritos – para a eliminação. Entre os ataques, Oppini usou termos xenofóbicos pelo fato da participante ser brasileira e chegou a dizer que Dayane “seria estuprada” em Verona, baseado no comportamento da sister, que estava bêbada depois de uma festa no programa. “Uma festa com ela e meus amigos seria um desastre”, completou Oppini. Depois de todos os ataques, que ficaram mais fortes enquanto um documentário sobre a carreira da modelo estava sendo apresentado para os participantes, Dayane ficou visivelmente abalada e desabafou com uma parceira no jogo. Para Francesco Oppini, a brasileira pediu explicações sobre os motivos dos ataques e pediu respeito. “Não é porque eu tenho a mente aberta e seja diferente que vocês têm que me dizer essas coisas. Sou mãe. E se amanhã as mães falarem sobre isso na escola da Sofia? Eu tenho uma filha que me assiste em casa”, disse. Apesar do apelo da participante e das ofensas sérias, a produção do Gran Fratello não interferiu no jogo e os comentários sobre Dayane chegaram a aparecer entre os assuntos mais comentados do Twitter, na Itália.

Apoio dos brasileiros

Depois do ataques, Dayane disse que – assim que deixar o programa – irá dedicar suas forças e influência para montar um projeto social focado em assistir mulheres vítimas de agressão física e psicológica na Itália e no mundo. Apesar de ter virado alvo na Itália, Dayane, mesmo sem saber, acabou conquistando o apoio dos brasileiros enquanto participante do Gran Fratello Vip deste ano. Depois dos ataques, fãs de alguns dos mais populares participantes de reality brasileiro, como a ex-BBB Gizelly Bicalho e a peoa Stéfani Bays, se juntaram para tornar a vida da modelo menos difícil ao longo do programa na TV italiana. Em entrevista à Jovem Pan, Rayane Sales, uma das brasileiras à frente do movimento que apoia Dayane, disse que se envolveu com a participante justamente por se identificar com a brasileira. “Ela  é odiada por ser mulher e por ser brasileira e eu sou as duas coisas. Não tem como não se comover e querer ajudar”, contou. Yasmin Yoshioka, que também faz parte do grupo de fãs, conta que o que mais chamou a atenção foram as semelhanças com o caso Mariana Ferrer, aqui no Brasil. “Cansei de sempre culparem as mulheres por tudo. O cara fez um comentário horrível e doloroso, me doeu”, disse. E a mobilização parece ter funcionado. Os brasileiros estão empenhados em deixar a brasileira no reality. Nos últimos dias, a tag ‘DAYANE MELLO MERECE RESPEITO’ apareceu entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil.

Confira algumas das manifestações dos fãs online: