A multinacional Isolux, que fornece energia ao Amapá, tem até esta quinta-feira, 12, para viabilizar a “completa solução” do apagão que o estado enfrenta faz uma semana. Se não restabelecer 100% da energia no prazo, a empresa terá de pagar uma multa de R$ 15 milhões. O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, disse nesta terça-feira que o órgão já está atuando para identificar as causas do problema. Segundo ele, o trabalho envolverá a adoção de “medidas corretivas” contra os responsáveis pela falha no sistema de transmissão de energia.

Também nesta terça, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anunciou a liberação de R$ 21,5 milhões para o governo do Amapá. Segundo Marinho, o governo local “poderá utilizar o dinheiro para combustível para aeronaves, viaturas e aluguel de veículos, fundamentais numa operação de emergência”. Na tarde desta terça,  centenas de moradores da zona norte de Macapá protestaram contra a suspensão da energia elétrica causada pelo apagão. Com queima de pneus e pedaços de madeira, os manifestantes também fizeram outros pedidos, como a melhoria no fornecimento de água tratada e da segurança pública na região.

*Com informações da repórter Letícia Santini