Segundo levantamento mensal do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, variações no preço no arroz, na batata, tomate, óleo de soja e carne foram as mais sentidas no bolso de pelo menos 54 milhões de brasileiros em 16,5 milhões de famílias. Como explica a economista e pesquisadora do IPEA, Maria Andreia Lameiras. “Assim como vem ocorrendo desde março, o principal ponto de pressão reside no comportamento dos preços no domicilio.”

Na pesquisa, as famílias de renda mais baixa vivem com ganho médio de R$ 1,534 por mês. Já a inflação dos mais ricos passou de 0,29% para 0,82% em outubro. De acordo com a economista Maria Andreia Lameiras, a aceleração se deu pela alta no preço das passagens aéreas e dos combustíveis. Apesar da proximidade entre os dois grupos, a inflação acumulada em 12 meses do segmento de renda mais baixa é mais que o dobro da observada na classe de renda mais alta.

*Com informações do repórter Vinícius Nunes