Sete ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram a favor de manter a comissão especial formada para julgar o impechment de Wilson Witzel (PSC), governador afastado do Rio de Janeiro. Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes – relator da ação -, Marco Aurélio, Edson Fachin, Nunes Marques, Gilmar Mendes e as ministras Cármen Lúcia e Rosa Weber votaram contra o recurso apresentado pela defesa de Witzel. O voto que garantiu a maioria da Corte foi dado por Nunes Marques, que foi indicado ao cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, que é adversário político de Witzel.

O presidente da Corte, Luiz Fux, não votou após se declarar suspeito. Dias Toffoli, por sua vez, votou para que a comissão formada na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) fosse desconstituída. O processo de impeachment de Witzel foi aprovado na comissão e no plenário da Alerj, ambos por ampla maioria. Agora, o Tribunal Especial Misto, que é composto por deputados e desembargadores, é responsável pelo destino do governador. O julgamento foi feito no plenário virtual da Corte e a sessão deverá ser encerrada às 23h59 desta sexta-feira, 13.

*Com informações do Estadão Conteúdo