Nesta sexta-feira, 13, o Ministério Público da Alemanha acusou um grupo de 12 homens de planejar e financiar ataques armados contra mesquitas e muçulmanos no país. Em comunicado, a agência afirmou que os terroristas, todos alemães e ligados a grupos de extrema-direita, se encontravam com frequência para executar o plano, que eles queriam que “matasse e ferisse o maior número de muçulmanos possível” e desencadeasse “uma situação semelhante a uma guerra civil”. Um deles teria prometido contribuir com 50 mil euros para a compra de armamento.

Grupos terroristas de extrema-direita tem chamado a atenção das autoridades alemãs. Em 2019, dois transeuntes morreram durante um ataque a uma sinagoga na cidade de Halle. No mesmo ano, o político conservador Walter Lubcke foi morto, provavelmente por ter pedido que os refugiados recebessem o apoio do país. Em 2018, houve uma onda de assassinatos de turcos étnicos.

*Com informações de agências internacionais