Em 2020, a eleição em Mato Grosso está sendo diferente do restante do Brasil. Por lá, além de prefeito e vereador, os eleitores também votam em senador. Isso porque, no ano passado, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o mandato da chapa da ex-senadora Selma Arruda por caixa dois e abuso de poder econômico na campanha de 2018. Desde então, Carlos Fávaro (PSD) ocupa interinamente o cargo. Ele é, inclusive, um dos 11 candidatos que disputam a vaga.

Segundo projeções, a disputa está embolada, e mais da metade dos concorrentes tem chances de vitória. Pesquisa IBOPE divulgada no dia 5 de novembro mostra Carlos Fávaro com 13% das intenções de voto. Ele está empatado com o ex-prefeito de Sinop e ex-deputado Nilson Leitão, do PSDB, e com o ex-governador e ex-senador Pedro Taques, do Solidariedade. Outros três candidatos estão empatados com os líderes na margem de erro. Procurador Mauro, do PSOL, tem 9%; Coronel Fernanda, do Patriota, 8%, e o deputado José Medeiros, do Podemos, 7%. Elizeu, da Democracia Cristã, conquistou 5% das intenções de voto; Valdir Barranco, do PT, tem 4%; Euclides Ribeiro, do Avante, foi citado por 2%; Reinaldo Moraes, do PSC, ficou com 1%; e Feliciano Azuaga, do Novo, não pontuou. O mandato do eleito em 15 de novembro irá até 2026.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni