O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou nesta sexta-feira não distribuir os primeiros lotes da futura vacina contra Covid-19 para Nova York por desavenças com o governo do estado, o democrata Andrew Cuomo, que tem sido um dos maiores críticos do tratamento dado à pandemia pelo republicano. “O governador Cuomo terá que nos dizer quando estiver pronto porque, caso contrário, não poderemos entregar (a vacina) a um estado que não a entregará imediatamente ao seu povo”, declarou Trump em um discurso na Casa Branca.

Segundo o presidente, Cuomo não confia de onde vem a imunização. “Vem das maiores empresas do mundo, dos maiores laboratórios do mundo, mas ele não confia no fato de que é a Casa Branca, deste governo, então não vamos dá-la a Nova York até que tenhamos autorização para fazê-lo, e me custa dizer isso”, afirmou. Pouco tempo depois, o próprio governador de Nova York respondeu em uma declaração à emissora de televisão “MSNBC”, dizendo que Trump estava mentindo. “Tenho sido um adversário declarado de muitas das políticas do Trump nos últimos quatro anos”, admitiu Cuomo, que lembrou que o republicano perdeu a eleição em seu estado por uma ampla margem e está sendo investigado em Nova York por fraude fiscal.

Pouco depois do discurso de Trump, a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, avisou ao presidente que o processará se a futura vacina não for enviada ao estado assim que estiver disponível. “Isto nada mais é do que o comportamento vingativo de um presidente de saída tentando se vingar daqueles que se opõem a sua política”, denunciou a procuradora-geral. Foi o primeiro discurso de Trump em oito dias e vem após projeções da mídia apontarem uma derrota para o democrata Joe Biden nas eleições presidenciais. Em seu pronunciamento, o republicano tentou capitalizar o progresso contra uma vacina contra a Covid-19 e não fez qualquer menção aos resultados das urnas.

*Com informações da Agência EFE