Nesta segunda-feira, 7, o Vaticano anunciou que o Papa Francisco deve visitar o Iraque entre os dias 5 e 8 de março de 2021, em sua primeira viagem oficial para o exterior desde o início da pandemia de coronavírus. O pontífice foi convidado a realizar a viagem pelo governo iraquiano em conjunto com a Igreja Católica do país. Segundo o diretor de comunicação da Santa Sé, Matteo Bruni, o Papa Francisco passará não apenas pela capital Bagdá como também pela região de Ur, onde teria nascido Abraão, e pelas cidades de Mossul e Qaraqosh, que foram devastadas durante as disputas com o Estado Islâmico. O Vaticano estima que os cristãos são minoria no Iraque: atualmente, o número não chega a meio milhão, sendo que antes do início da guerra, em 2003, eles eram pelo menos 1,5 milhão. Muitos deixaram o país depois que grupos extremistas começaram a atacar igrejas católicas.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Iraque, a visita do Papa Francisco “representa um evento histórico” e “uma mensagem de paz” para o país e a região como um todo, além de “afirmar a unidade da posição humanitária no enfrentamento do extremismo e dos conflitos” e promover a “diversidade e a tolerância”. Antes da crise da Covid-19, o Santo Padre já tinha visitado diversos países de maioria muçulmana, como os Emirados Árabes em fevereiro de 2019.

*Com informações de agências internacionais