O senador Flávio Bolsonaro renunciou ao cargo de terceiro secretário da mesa diretora do Senado Federal. O ofício foi encaminhado ao presidente da Casa, Davi Alcolumbre, em 11 de dezembro e passou a valor no dia 14. Com a decisão, o filho do presidente Jair Bolsonaro antecipa a saída dele no cargo, já que no dia em fevereiro acontece a eleição para a próxima mesa diretora. Flávio é alvo de representações no Conselho de Ética do Senado, devido a acusações ligadas ao caso da “rachadinhas” na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, a Alerj.

Nos últimos dias, o senador também esteve no centro das acusações de que a Abin, a Agência Brasileira de Inteligência, teria agido para orientar sua defesa durante o processo. Já o irmão de Flávio, o deputado Eduardo Bolsonaro, é alvo de uma apuração preliminar da Procuradoria-Geral da República. Aberto nesta segunda feira, 22, procedimento analisa o pagamento de dinheiro em espécie feito por ele para a compra de dois apartamentos no Rio de Janeiro, em 2011 e 2016. No despacho, o procurador geral da República, Augusto Aras, afirmou que, caso eventualmente surjam indícios razoáveis de possíveis delitos, pode ser instaurado inquérito no Supremo Tribunal Federal.

*Com informações do repórter Levy Guimarães