<span class="hidden">–</span>CAPRICHO/Sestini/Reprodução

Se em 2019 BTS fez barulho ao lançar sua própria história em quadrinhos, um game, sair em turnê mundial e estrelar campanhas humanitárias, em 2020 o septeto coreano reforçou ainda mais sua influência no mundo da música através de mensagens de esperança enquanto a luta contra a pandemia de COVID-19 e o isolamento social continuam.

A jornada de heróis conduzida pela agência Big Hit Entertainment já mostrou que arte e inovação fazem parte do DNA do grupo desde a sua estreia em 2013. Completando 7 anos de carreira e fugindo completamente do padrão de música produzido em sua época, Jin, Jungkook, Jimin, Suga, V, J-Hope e RM continuam se destacando pelo amadurecimento, autonomia criativa e sua ligação intrínseca com o fandom ARMY, é claro. Em retrospectiva, selecionamos 10 momentos que marcaram a trajetória do BTS esse ano. Confira:

3 álbuns em 1 ano:

Em 2020, três grandes obras foram adicionadas à discografia do BTS. Começando por Map Of The Soul: 7, que incorporou teorias do psicólogo Carl Jung sobre a psique humana, mitologia grega e numerologia para narrar a trajetória pessoal de cada um dos integrantes ao longo de sete anos. “Não há crescimento sem dor”, declarou Suga em uma coletiva de imprensa. Persona, faixa lançada em 2019, ganhou as complementares Shadow e Ego, que foram apresentadas por Suga e J-Hope, respectivamente. A era também ficou marcada pelos hits Black Swan, que recebeu uma performance impecável do grupo esloveno de dança moderna MN Dance Company, e ON, faixa título que conduz toda a narrativa do álbum.

Depois foi a vez de Map Of The Soul: 7 ~The Journey~ — versão em japonês do álbum anterior —, bater recordes no restante da Ásia. Entregando 2 faixas inéditas, sendo elas Stay Gold, uma colorida e doce balada, e Your Eyes Tell, que serviu de trilha sonora para o remake do filme Always, de 2011. “Estamos felizes de fazer parte desse filme incrível. JungKook participou da composição da música tema, que combina bem com o lindo e profundo amor retratado no filme”, comentou o grupo. A canção foi originalmente destinada à aguardada mixtape solo de Jungkook, mas acabou escolhida como parte da trilha por se adequar perfeitamente ao tema do romance japonês.

“Uma carta de esperança para todos em 2020”, foi como a Big Hit definiu BE, lançado no mês de novembro. “À medida que uma sensação de desamparo surge em todos os cantos do mundo, BTS se abre para expor seus sentimentos confusos sobre esta situação — medo e ansiedade misturados com a determinação de superar tudo isso”, disse a empresa no comunicado. “O mundo parece ter parado sem um aviso, mas precisamos seguir em frente”, concluiu.

A produção do álbum de oito faixas também se destacou pela participação ativa dos membros em todas as etapas do projeto: Jungkook, por exemplo, ficou responsável pela direção do mv de Life Goes On, enquanto V assumiu o papel de diretor visual e mostrou seu talento na hora de projetar os conceitos. “Nós nos concentramos nas emoções que sentimos agora, então essa foi a minha chance de refletir sobre o meu presente e sobre mim mesmo. Eu espero que muitas pessoas se identifiquem com nossas histórias honestas”, descreveu Jin. Todo o processo foi compartilhado com os fãs através de vídeos ao vivo no YouTube.

Show virtual:

Devido a pandemia do novo coronavírus, a turnê mundial do grupo, preparada para começar em abril, foi cancelada. Mas isso não impediu o BTS de apresentar suas músicas para o ARMY. Longe dos palcos desde o começo do ano, cerca de 993 mil fãs assistiram ao concerto virtual Map of The Soul ON: E, um evento online que aconteceu nos dias 10 e 11 de outubro. Com direito a apresentações inéditas, o show foi a chance perfeita para matar a saudade do grupo. Segundo a organização, o público foi formado por 191 países.

Novo discurso na ONU:

Há dois anos, o septeto se tornou o primeiro artista de K-pop a discursar na Organização das Nações Unidas representando o programa Generation Unlimited, uma parceria com a UNICEF que tem como objetivo aumentar as oportunidades e investimentos para crianças e jovens. Em 2020, os integrantes foram convocados outra vez para falar durante a 75ª Assembleia Geral da ONU sobre como estamos fazendo nosso melhor para enfrentar a pandemia. Introduzidos pela diretora executiva da UNICEF, Henrietta H. Fore — que lidera a campanha LOVE MYSELF e fez questão de ressaltar sua influência sobre a juventude — os sete integrantes fizeram um discurso encorajador. “A vida continua, vamos continuar vivendo”, disseram.

#1 no HOT 100 na Billboard:

Assim como The Weeknd e Dua Lipa, BTS abraçou o estilo retrô para dar vida ao single Dynamite, sua primeira faixa cantada em inglês. Cheio de referências visuais em homenagem às décadas passadas, o hit foi sinalizado como uma canção alegre e confiante, que chegou para se conectar com o fandom na quarentena. “O mundo todo está passando por esse momento difícil e nós queríamos nos encontrar com os fãs, nos sentimos desamparados e tivemos essa oportunidade para fazer algo novo. É uma música que levanta o espírito das pessoas”, explicou Jimin durante uma entrevista. “Essa é a música que o BTS quer que vocês escutem agora”, reforçou Jin.

A aposta deu muito certo, fazendo Dynamite explodir nos charts atingindo o primeiro lugar na parada 100 da Billboard — que é a principal lista de faixas mais vendidas e executadas nos Estados Unidos. Batendo 101 milhões de views em 24h no YouTube, o grupo foi notado pelo diretor geral da OMS, pela família de Michael Jackson e recebeu elogios até do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in.

Life Goes On, a faixa principal do disco BE, também atingiu o topo do HOT 100 no dia 30 de novembro e se tornou a primeira música não cantada em inglês da história a estrear em #1 na lista dos 100 melhores! — em um período de três meses, o BTS apareceu três vezes no topo das paradas da Billboard. Essa marca foi alcançada mais rápido do que qualquer outro grupo ou artista desde os Beatles. Demais, né?

Colaborações, solos e mixtape:

BTS já possui uma lista bem extensa de colaborações internacionais, incluindo músicas com Halsey, Nicki Minaj, Becky G e Steve Aoki. Esse ano, no entanto, foi a vez das parcerias coreanas ganharem os holofotes. Em janeiro, RM se uniu à cantora e compositora Younha no feat Winter Flower, presente no mini álbum Unstable Minset. Depois, Suga ganhou os charts com a aclamada Eight, feita em conjunto com IU, um dos maiores nomes da música pop na Coreia do Sul. Se destacando como uma autorreflexão sobre o momento atual de suas vidas, além dos vocais, a composição e a letra também levam as assinaturas da dupla.

Já entre os solos tivemos Sweet Night, faixa preparada por V para a trilha sonora de Itaewon Class, uma série de TV que marcou os amantes de k-dramas com sua história de superação e amizade.

Em junho, Jungkook pegou todo mundo de surpresa ao lançar a sensível Still With You como parte das comemorações do evento BTS FESTA. E não parou por aí! No começo do mês de dezembro, Jin resolveu curtir seu aniversário presenteando o fandom com Abyss, música solo produzida pelo próprio cantor em colaboração com BUMZU, Pdogg e RM. “Preparei uma coisa pra vocês e eu trabalhei muito duro nisso!”, escreveu no Twitter.

Agust D, alter ego de Suga, também voltou com tudo em 2020. A segunda mixtape solo do rapper, intitulada D-2, ocupou os assuntos mais comentados das redes sociais e chegou acompanhada por um videoclipe feroz do single Daechwita. Em entrevista à Time, Suga revelou que existe uma diferença entre ele e seu alter ego: “A diferença é que posso me expressar mais abertamente e consigo mostrar um lado mais cru para mim [com o Agust D]. E o que é semelhante é que ambos cantam sobre sonhos e esperança”, disse.

Performances épicas:

Nós já listamos aqui quais foram as performances mais memoráveis do BTS em 2020. E não foram poucas, viu? Com participação no palco do Grammy, uma semana inteira de no programa norte-americano The Tonight Show e diversas premiações de música, o grupo cantou e dançou em um palácio real, um aeroporto, em um parque de diversões, e até mesmo no Estádio da Copa do Mundo de Seul — esse último cenário foi escolhido para a cerimônia do MAMA 2020. Saindo como os grandes campeões do evento que celebra os artistas da música pop coreana, certamente a performance de ON em conjunto com a banda marcial não vai sair tão cedo do nosso imaginário.

Novo game:

Após o sucesso com BTS WORLD em 2019, o grupo soltou um novo game em 2020. Focado em contar e criar histórias inspiradas no BTS Universe, ou BU, que já se expandiu através de mvs, da webtoon Save Me, de notas que acompanham álbuns, e de um seriado que está em desenvolvimento, em BTS Universe Story é você quem controla o destino dos integrantes do grupo. O jogo possui modo de criação e compartilhamento de histórias e é rico em opções de customização.Se você ama uma boa fanfic, sua hora de brilhar chegou!

Indicação ao Grammy:

Depois de alcançar grandes prêmios, parece que a Academia do Grammy finalmente resolveu dar o mínimo de atenção para o septeto em sua próxima edição. Completamente ignorado pelo júri no ano passado, o grupo foi indicado para a categoria Melhor Performance pelo single Dynamite. Com isso, BTS se tornou o primeiro ato de K-pop a concorrer em uma categoria musical do prêmio. 

“Lei BTS”:

O alistamento militar obrigatório na Coreia do Sul ainda é um dos assuntos mais temidos e comentados pelos fãs de K-pop. Isso porque todo homem fisicamente apto precisa servir às forças armadas do país por um período de até 2 anos, entre 18 e 28 anos de idade. A medida ainda é um reflexo dos conflitos com a Coreia do Norte.

Somente músicos clássicos premiados e atletas de grande destaque condecorados por medalhas olímpicas ou ouro nos Jogos Asiáticos são isentos, participando apenas de treinamento militar básico. Faltando poucos dias para o aniversário de 28 anos de Jin, a Assembleia Nacional do país aprovou uma revisão na Lei do Serviço Militar, permitindo que astros do K-pop adiem seu alistamento até os 30 anos caso tenham recebido medalhas do governo por elevar a influência cultural do país internacionalmente. Com essa emenda, apelidada pela mídia de “Lei BTS”, o cantor poderá atrasar, ou não, sua admissão por mais 2 anos.

Embora a decisão do governo tenha chamado atenção, vale reforçar que, se os astros de K-pop devem ou não ser isentos do serviço militar obrigatório, cabe somente a opinião pessoal dos próprios artistas e do governo coreano, e, principalmente, é necessário entender que existem diferenças culturais e sociais nessa discussão. Anteriormente, Jin já havia comentado sobre seu alistamento militar: “Como coreano, ir para o exército é algo natural e, quando o dever me chamar, estarei pronto para ir e fazer o meu melhor”, disse em uma entrevista à CBS News em 2019.

Personalidade do ano:

A revista TIME escolheu o boy group para representar o título de Personalidade do Ano em 2020. Com feitos históricos — incluindo uma doação de 1 milhão de dólares para ativistas do movimento BLACK LIVES MATTER contra o racismo nos EUA e que resultou numa campanha global organizada pelo ARMY — é claro que o grupo também causa impressões positivas para a economia da Coreia do Sul. Segundo o Instituto Hyundai, em 2018, somente o BTS gerou uma receita de US$3,6 bilhões ao país. A Big Hit, que abriu seu capital para investidores nos últimos meses, também teve a maior oferta pública na bolsa de valores de Seul dos últimos três anos. “Há momentos em que ainda fico surpreso com todas as coisas inimagináveis que estão acontecendo. Mas eu me pergunto: quem vai fazer isso senão nós?”, comentou Suga em entrevista à TIME.

Ainda não dá pra saber sobre o futuro do BTS, mas os integrantes já fizeram questão de comentar sobre o possível lançamento das mixtapes de V e Jungkook no ano que vem. Suga, que está afastado das promoções devido a uma cirurgia realizada no ombro, deve voltar a tempo de se apresentar na cerimônia do Grammy no começo de 2021. Também foi revelado o elenco de Youth, série baseada no universo do BTS e que deve sair em breve.

O que você achou da nossa retrospectiva?

Continua após a publicidade