A Câmara dos Deputados tem dez novos parlamentares. A mudança é consequência das eleições municipais realizadas em novembro do ano passado. Oito deputados foram eleitos prefeitos e, por isso, precisaram renunciar ao mandato na Câmara. No lugar deles assumiram aqueles que, até então, eram apenas suplentes. Desde 1º de janeiro, Pedro Vilela (PSDB-AL) está no lugar do ex-deputado JHC, eleito prefeito de Maceió; Neucimar Fraga (PSD) passou a ocupar a cadeira deixada por Sergio Vidigal, que agora é prefeito da cidade de Serra, no Espírito Santo; e Josivaldo JP (Podemos) assumiu o cargo de Eduardo Braide, empossado prefeito de São Luís do Maranhão.

Além destes, Aelton Freitas (PL-MG) substituiu Margarida Salomão, nova prefeita de Juiz de Fora; Vivi Reis (Psol) está no lugar de Edmilson Rodrigues, eleito para comandar Belém do Pará; Milton Coelho (PSB-PE) ocupou a vaga deixada pelo novo prefeito de Recife, João Campos; Pedro Augusto (PSD-RJ) virou titular na vaga de Alexandre Serfiotis, agora responsável pela prefeitura de Porto Real; e Ricardo Karol (Patriotas) assumiu o cargo de Wladimir Garotinho, novo prefeito da cidade de Campos, no Rio de Janeiro.

Os cariocas Marcos Soares (DEM) e Otavio Leite (PSDB) também são duas caras novas na Câmara. O caso deles, no entanto, é diferente. Ambos estão cumprindo a função de deputado federal, mas ainda como suplentes. Isso porque os titulares do cargo, os deputados Pedro Paulo e Marcelo Calero, apenas se licenciaram dos mandatos para assumir secretarias municipais da capital fluminense. Como eles não precisaram renunciar para assumir as funções, poderão retomar o mandato quando bem entenderem, provocando assim o retorno dos substitutos à posição de suplentes.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado