Mais de um milhão de pessoas já morreram de Covid-19 nos EUA desde o início da pandemia, de acordo com dados desta terça-feira (17) da Universidade Johns Hopkins – um lembrete de que a pandemia ainda não acabou, mesmo que grande parte do país se afaste das medidas Covid-19.

E especialistas acreditam que o verdadeiro custo da doença é ainda maior.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA estimam que o número de mortes por Covid-19 nos EUA foi cerca de 32% maior do que o relatado entre fevereiro de 2020 e setembro de 2021.

Dados provisórios do CDC também mostram que os EUA ultrapassaram o marco de mortes durante a semana terminando em 14 de maio, e uma análise da CNN dos dados divulgados pela agência mostra que resultados graves afetaram desproporcionalmente os americanos mais velhos e as populações minoritárias.

Cerca de três quartos de todas as mortes por Covid-19 ocorreram entre idosos, incluindo mais de um quarto entre pessoas com 85 anos ou mais, segundo dados do CDC.

E embora as disparidades raciais e étnicas tenham diminuído ao longo da pandemia, o risco de morrer de Covid-19 foi cerca de duas vezes maior para negros, hispânicos e índios americanos em comparação com brancos nos EUA.

Na semana passada, o presidente Joe Biden emitiu uma proclamação marcando um milhão de mortes e ordenou que a bandeira americana fosse hasteada a meio mastro, escrevendo que a nação “não deve ficar insensível a tanta tristeza”.

“Para curar, devemos lembrar”, disse o presidente em um comunicado.

“Devemos permanecer vigilantes contra esta pandemia e fazer tudo o que pudermos para salvar o maior número possível de vidas.”

E tudo isso acontece quando os casos de Covid-19 estão aumentando novamente em todo o país, com infecções relatadas mais que dobrando no mês passado nos EUA em geral.

A cidade de Nova York atingiu o nível “alto” de alerta Covid-19, indicando alta disseminação da comunidade e “pressão substancial sobre o sistema de saúde”, disseram autoridades.

As pessoas foram incentivadas a usar máscaras de alta qualidade em todos os ambientes públicos internos e espaços externos lotados, independentemente do estado vacinal ser conhecido.

Em todo o mundo, houve mais de 524 milhões de casos relatados do vírus desde o início da pandemia – mais de 82 milhões dos quais nos EUA.
Marcos sombrios durante a pandemia
A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a Covid-19 como uma pandemia em 11 de março de 2020.
Os EUA relataram suas primeiras 100 mil mortes cerca de dois meses e meio depois, em 23 de maio de 2020, segundo Johns Hopkins;
Houve 200 mil mortes relatadas cerca de quatro meses depois, até 22 de setembro de 2020;
Houve 300 mil mortes relatadas menos de três meses depois disso, até 12 de dezembro de 2020;
Houve 400 mil mortes relatadas cerca de um mês depois, em 17 de janeiro de 2021;
Houve 500 mil mortes relatadas cerca de um mês depois disso, até 21 de fevereiro de 2021;
Houve 600 mil mortes relatadas cerca de quatro meses depois, em 16 de junho de 2021;
Houve 700 mil mortes relatadas cerca de três meses e meio depois disso, até 1º de outubro de 2021;
Houve 800 mil mortes relatadas cerca de dois meses e meio depois disso, até 13 de dezembro de 2021;
Menos de dois meses depois, em 4 de fevereiro, os EUA relataram um total de 900.334 mortes.
No geral, as taxas de mortalidade foram maiores na região Nordeste do país e menores na região Oeste, segundo dados da Johns Hopkins.

Mas no nível estadual, as taxas de mortalidade foram mais altas no Mississippi, Arizona e Oklahoma – cada um com mais de 400 mortes totais de Covid-19 para cada 100 mil pessoas – em comparação com Vermont e Havaí, que tiveram cerca de 100 mortes para cada 100 mil pessoas.

Globalmente, houve mais de 6,2 milhões de mortes por Covid-19 relatadas, de acordo com dados da Johns Hopkins.

Vacinas salvaram milhões de vidas
As vacinas para o vírus salvaram milhões de vidas, mas cerca de metade de todas as mortes por Covid-19 nos EUA aconteceram no ano passado – quando as vacinas já estavam amplamente disponíveis para todos com cinco anos ou mais.

E embora o governo não tenha compartilhado uma estimativa oficial de quantas pessoas vacinadas morreram de Covid-19, uma análise da CNN dos dados do CDC mostra que as mortes nos últimos meses foram divididas muito mais uniformemente entre pessoas vacinadas e não vacinadas, conforme variantes altamente transmissíveis tomam posse, a proteção vacinal diminui e a adesão ao reforço se estagna.

Mas o risco de morrer de Covid-19 ainda é cerca de cinco vezes maior para pessoas não vacinadas do que para pessoas vacinadas, de acordo com o CDC.

E as evidências continuam se acumulando em torno da importância crítica das doses de reforço.

Das pessoas vacinadas que morreram de Covid-19 em janeiro e fevereiro, menos de um terço recebeu uma dose de reforço, de acordo com uma análise da CNN dos dados do CDC.

Os dois terços restantes haviam recebido apenas suas séries primárias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui