O Senado Federal define na tarde desta segunda-feira, 1º, quem será o próximo presidente da Casa. Quatro candidatos disputam a cadeira de Davi Alcolumbre (DEM-AP): Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Simone Tebet (MDB-MS), Major Olimpio (PSL-SP), Lasier Martins (Pode-RS) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO). Pacheco, escolhido por Davi Alcolumbre para sucedê-lo, conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e uniu, em seu arco de alianças, siglas do Centrão, como o Progressistas, e da oposição, como o PT. A principal adversária de Pacheco é Simone Tebet, que lançou uma candidatura avulsa após a bancada do seu partido não chegar em um consenso. Jorge Kajuru já declarou que deve retirar sua candidatura antes do início da votação. Para ser eleito, o senador precisa de, no mínimo, 41 votos. A votação é manual por meio de cédulas e está marcada para começar às 14h. Além das urnas em plenário, senadores que estão em grupos de risco da Covid-19 poderão votar por drive-thru, por cabines instaladas na entrada do Congresso Nacional.

Depois de iniciar a corrida pela sucessão de Alcolumbre com quatro nomes, o MDB, dono de maior bancada do Senado, com 15 cadeiras, tinha dois postulantes à cadeira de presidente da Casa: o líder do partido Eduardo Braga (MDB-AM) e Simone Tebet. Os senadores Fernando Bezerra Coelho (PE) e Eduardo Gomes (TO), líderes do governo no Senado e no Congresso, respectivamente, deixaram a disputa após o presidente Bolsonaro sinalizar apoio à candidatura de Pacheco. Simone foi escolhida por unanimidade para representar o partido. Após a escolha do nome da senadora, porém, o partido rachou entre apoiadores de Simone e apoiadores de Pacheco.

Nas negociações entre MDB e DEM, há um fator que explica porque Tebet foi preterida por alguns de seus correligionários: cargos na Mesa Diretora e controle de comissões importantes da Casa. Segundo relatos feitos à Jovem Pan por senadores do MDB, foi oferecido ao partido a vice-presidência do Senado, a 2ª Secretaria e a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), posto que hoje é ocupado por Simone Tebet. Apesar da preferência de membros da bancada por Pacheco, Tebet ainda conta com maioria dentro do MDB, diz Eduardo Braga. Rodrigo Pacheco conta com o apoio formal de dez partidos: PSD, PP, PT, PDT, PROS, PL, Republicanos, Rede e PSC, além do próprio DEM. Enquanto isso, Simone Tebet é apoiada por Podemos e Cidadania. PSDB não declarou apoio a nenhum dos candidatos. Confira abaixo a cobertura especial da Jovem Pan sobre a votação para presidente no Senado Federal.


14:40 – ‘Acho que conseguimos entregar um Senado mais pacificado’, diz Alcolumbre

Em sua fala, o presidente do Congresso afirmou que o Senado está mais unido do aquele que o elegeu há dois anos trás. “Acho que a gente consegue entregar um Senado mais pacificado, com o respeito e reconhecimento de todos, ou pelo menos de grande maioria dos senadores da república”, disse.


14:36 – Davi Alcolumbre defende a união das regiões brasileiras

O senador, que foi eleito pelo estado do Amapá, fez um aceno à necessidade de união entre as regiões brasileiras e da desigualdade que ainda atinge o norte e o nordeste.”Quero fazer esse registro da diferença regional em nome do povo do Amapá, meu Estado, um dos menores Estados do Brasil, e a esse povo agradecer essa oportunidade única de estar aqui”, defendeu. “Enquanto a gente não tiver a consciência de que a gente não pode separar um brasileiro do Sul e do Sudeste, um brasileiro do Norte e do Nordeste, a gente não vai ter um País digno. E eu acho que consegui, ao longo desse período, com a visibilidade do cargo, mostrar ao Brasil esses diferenças, partindo do princípio que sou amapaense”, afirmou.


14:30 –  Davi Alcolumbre faz pronunciamento antes do início da eleição

O atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre, agradeceu à imprensa pela dedicação ao Senado e ao Congresso Nacional. O senador se disse honrado pela passagem e afirmou que reconhece e acredita no papel da mídia. “Reconheço a importância fundamental do papel da imprensa brasileira. Reconheço, respeito e tenho apreço pela profissão de cada um de vocês, pela determinação, pela coragem e pela oportunidade de levar para os quatro cantos do Brasil e do mundo as notícias do Parlamento”, afirmou o presidente. “Quero dizer que foi e continuará sendo um privilégio conviver nesta Casa como senador da república”.


14:16 – Rodrigo Cunha declara voto em Pacheco

O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) declarou o seu voto em Rodrigo Pacheco. “Decidi apoiar Pacheco, que assumiu comigo o compromisso de tratar a pandemia se guiando pela ciência, garantindo maior celeridade à vacinação contra Covid-19 e pautando a prorrogação do auxílio emergencial, tema essencial para amenizar os impactos da pandemia aos vulneráveis”, escreveu o senador.


14:27 – Sessão ainda não foi iniciada

Sessão destinada à escolha do presidente do Senado Federal, marcada para às 14h, ainda não foi iniciada.