Mais da metade dos deputados do Partido Social Liberal, o PSL, declararam, nesta quinta-feira, 07, apoio a Arthur Lira, candidato à presidência da Câmara apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro. A declaração aconteceu por meio de uma lista organizada pelo deputado federal Major Vitor Hugo e marca uma “racha” na legenda, já que o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, declarou apoio ao concorrente Baleia Rossi. Na avaliação de Vitor Hugo, a escolha feita por Bivar reflete uma iniciativa individual e representa uma “infidelidade aos eleitores” do partido. “Não sabemos os acordos e acertos que o deputado fez com o bloco, que hoje agrega o Baleia Rossi apoiado por Maia e que atraiu todos os partidos de esquerda e de oposição ao governo. Então veja, é uma grande incongruência, uma infidelidade aos eleitores que acreditaram no PSL, que o partido passe a apoiar o bloco que é comum por todos esses partidos de esquerda”, afirma.

Ao todo, 32 deputados assinaram a lista de apoio. No entanto, segundo Vitor Hugo, outros deputados manifestaram intenção de voto em Arthur Lira, mas preferiram não assinar por “receio de represália do partido”. “Isso é a expressão, de maneira muito clara, de que lado o partido quer estar. Não é atribuição do presidente [Luciano Bivar]. Quem decide a formação dos blocos é a maioria absoluta dos deputados federais, não o diretório ou o presidente nacional do partido”, afirmou em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan. O parlamentar negou que haja qualquer característica de infidelidade partidária na declaração de apoio a Lira na presidência da Câmara.

Sobre as características que podem definir a vitória de Baleia Rossi ou do oponente na disputa, Major Vitor Hugo ressaltou que os deputados estão fazendo “suas avaliações em relação ao que os candidatos propõem”, questionando quais compromissos Rossi, que apoiou o impeachment de Dilma Rousseff, fez para que a esquerda concordassem com o apoio. “Fico imaginando que tipo de pauta o Baleia está fazendo com a esquerda para conseguir agregar os partidos. Na reta final estou vendo os candidatos se movimentando pelo país, ouvindo os deputados e acho que esses compromissos em torno de pautas e dinâmica das estratégias de cada partido serão importantes para a reta final.”