O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o aumento do preço do gás anunciado pela Petrobras nesta semana é “inadmissível”. Em discurso na cerimônia de posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, Bolsonaro disse que não vai interferir na estatal. O presidente ressaltou, porém, que pode mudar a “política de preços” da empresa com o apoio da Câmara dos Deputados. “É uma empresa que mais do que transparência, tem que ter previsibilidade. É inadmissível se anunciar, agora, o velho presidente ainda, um reajuste de 39% no gás. É inadmissível, que contrato são esses? Que acordos foram esses? Foram feitos pensando no Brasil?”, questionou.

As declarações vêm depois do anúncio, na segunda-feira, 5, de que os preços para venda de gás natural a distribuidoras terão salto de 39% a partir de 1° de maio. Na cerimônia em Foz do Iguaçu, no Paraná, Bolsonaro afirmou ainda que encaminhará novamente um projeto de lei que tem o objetivo de dar transparência à política de preços no país. Segundo o presidente, o texto deve ser colocado em pauta na Câmara em um prazo de 15 a 20 dias.

*Com informações da repórter Letícia Santini