A covereadora de São Paulo Carolina Iara, do mandato coletivo Bancada Feminista, eleito pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) nas eleições de 2020, foi à Delegacia de Proteção à Pessoa da capital nesta quarta-feira, 27, prestar queixa e depoimento sobre um atentado cometido contra a casa dela na madrugada desta terça, 26. A política, que mora com a mãe e um irmão, estava em casa no momento em que os tiros foram disparados, pouco depois das 2h. Câmeras de segurança da rua mostraram um veículo branco parado diante da residência dela no mesmo horário em que os tiros foram ouvidos.

Segundo a assessoria de imprensa do mandato, os projéteis dos dois tiros disparados ficaram alojados no muro e na cozinha da covereadora. Apesar do susto, ninguém ficou ferido. “A Bancada Feminista do PSOL acredita que foi um crime político, por tudo que a covereadora representa como liderança de movimento de pessoas trans”, afirma trecho de nota divulgada nesta quarta. Após o ocorrido, Iara precisou sair de casa e se instalar em um lugar seguro junto à família. A Bancada Feminista assumiu cargo na vereança da capital no dia 1º de janeiro e conta com cinco mulheres, que revesam a presença na Câmara Municipal sempre ao lado de Silvia Ferraro, escolhida para encabeçar a chapa nas urnas. Elas tiveram a 7ª maior votação da cidade, sendo escolha para 46.267 eleitores.