O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), escolheu o deputado Daniel Freitas (PSL-SC) como relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) conhecida como PEC Emergencial, que abre espaço para o pagamento de uma nova rodada de auxílio emergencial em meio ao agravamento da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Em seu primeiro mandato, Freitas é apoiador do presidente Jair Bolsonaro e integra a chamada ala bolsonarista do PSL. A proposta foi aprovada em segundo turno pelo Senado nesta quinta-feira, 4, por 62 votos a 14.

A PEC Emergencial estará na pauta da Câmara na terça-feira para debate, com as votações dos dois turnos previstas para a quarta-feira, 10. Como a Jovem Pan mostrou, a proposta será analisada no plenário, sem passar por comissões da Casa. A decisão visa garantir o pagamento do auxílio emergencial ainda no mês de março – o parecer do senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator no Senado, o governo poderá contrair um empréstimo de R$ 44 bilhões para custear o benefício. O crédito, no entanto, não vai entrar na contabilidade do Teto de Gastos. Em contrapartida, a proposta estabelece gatilhos para o controle fiscal.