Menos de 24 horas após o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) ser preso a pedido do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), os partidos de oposição da Câmara dos Deputados entraram com um pedido de cassação de mandato do parlamentar no Conselho de Ética da Casa. “Em momentos em que a democracia está ameaçada, é fundamental a unidade para derrotarmos esses fascistas”, afirmou a deputada do PSOL, Talíria Petrone, em publicação nas redes sociais nesta quarta-feira, 17. Concomitantemente ao pedido de cassação, a Mesa Diretora da Câmara afirmou que determinou a reativação imediata do Conselho de Ética e fez uma representação contra o parlamentar do PSL.

A informação sobre o pedido de cassação do parlamentar foi adiantada no começo da tarde desta quarta pelo líder da oposição, Daniel Figueiredo (PDT-CE), que classificou os atos que levaram à prisão do deputado como “crimes incontestáveis”. A Mesa Diretora da Casa realizou uma reunião ao longo da tarde para discutir sobre a prisão e toda a Câmara deverá deliberar sobre a decisão do STF ainda na quinta-feira, 18. Pelas redes sociais, os presidentes da Câmara e do Senado se pronunciaram sobre o ocorrido. “Nesta hora de grande apreensão, quero tranquilizar a todos e reiterar que irei conduzir o atual episódio com serenidade e consciência de minhas responsabilidades para com a Instituição e a Democracia”, afirmou o deputado Arthur Lira. O senador Rodrigo Pacheco disse que o episódio não deve ser elevado a uma “crise constitucional”, mas considerou que a prisão de um parlamentar sem julgamento só deve ocorrer em “grave exceção”.