O presidente da República, Jair Bolsonaro, editou uma nova medida provisória destinando mais R$ 5 bilhões ao Ministério da Saúde. Os valores serão para produção, fornecimento e distribuição de mais 50 milhões de doses da vacina da Oxford, que serão produzidas pela Fiocruz, e também pela compra de outras 100 milhões de doses prontas. Ainda nesta segunda-feira, 10, o ministro Marcelo Queiroga participou de um seminário no Ministério da Ciência e Tecnologia para discutir a evolução das pesquisas de vacinas e medicamentos para a Covid-19. Ele defendeu a necessidade de mais investimentos em pesquisas para conter a pandemia, ressaltando que não basta melhorar o atendimento no sistema de saúde. Segundo ele, é preciso buscar alternativas e inovar. Queiroga ressalta, no entanto, que a responsabilidade não pode ser apenas dos governos. “Os Estados Unidos, maior economia do mundo, o investimento em pesquisa não é feito só pelo governo. Há uma forte participação da iniciativa privada, das indústrias farmacêuticas, atuando em parceria com as universidades.”

Como forma de fortalecer a pesquisa nacional, Queiroga defendeu que os cientistas brasileiros, que estão no exterior financiados com dinheiro público, voltem para o Brasil para ajuda na luta contra a doença. Mais de um mês depois do ministro ter tomado posse, o governo federal criou a secretaria extraordinária de enfrentamento à Covid-19, prometida como forma de melhorar a tomada de decisões. A secretaria vai propor diretrizes nacionais e ações em parceria com Estados e muni. A ideia é definir e coordenar, por exemplo, as ações do Plano Nacional de Imunização (PNI).

*Com informações da repórter Luciana Verdolin