O senador Renan Calheiros (MDB-AL) foi escolhido, nesta sexta-feira, 16, relator da CPI da Covid-19. A presidência do colegiado, por sua vez, ficará com Omar Aziz (PSD-AM). A vice-presidência ficará a cargo de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento para a criação da comissão. Os nomes foram definidos após um acordo firmado entre os parlamentares – o compromisso precisa ser confirmado na primeira sessão do colegiado. Maior bancada da Casa, o MDB optou pela relatoria. A escolha do segundo posto mais importante coube ao PSD, que, com 11 senadores, tem a segunda maior bancada do Senado.

O Palácio do Planalto trabalhava, nos bastidores, para evitar que Renan Calheiros, hoje líder da Minoria no Senado, assumisse uma posição de destaque na comissão. O parlamentar é um crítico ferrenho do presidente Jair Bolsonaro e da condução do governo federal no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Por outro lado, Aziz, tido como independente, conta com o apoio das lideranças governistas.

Como a Jovem Pan mostrou, a composição da CPI indica que o governo terá minoria no colegiado. Dos 11 titulares, apenas quatro são tidos como aliados. São eles: Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas e um dos principais caciques do Centrão no Congresso; Marcos Rogério (DEM-RO), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Jorginho Mello (PL-SC). Os outros sete integrantes são Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Otto Alencar (PSD-BA), Omar Aziz (PSD-AM), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Eduardo Braga (MDB-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL).