Nesta sexta-feira, 12, o presidente Jair Bolsonaro nomeou o deputado federal João Roma (Republicanos-BA) como ministro da Cidadania. O parlamentar assumiu o posto que era ocupado por Onyx Lorenzoni, transferido para a Secretaria-Geral da Presidência da República. As indicações geraram reações imediatas do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do presidente nacional do DEM, ACM Neto, e do deputado federal e presidente nacional do Republicanos, Marcos Pereira (Republicanos-SP).

Filiado ao Republicanos desde 2016, João Roma é um aliado de ACM Neto, de quem foi chefe de gabinete na Prefeitura de Salvador. Em seu perfil no Twitter, Rodrigo Maia voltou a criticar o presidente nacional do DEM. “ACM Neto mostrou hoje o seu caráter”, escreveu. A escolha de Roma é vista como o pagamento de uma das faturas pelo apoio do Centrão à eleição de Lira. O ex-presidente da Câmara dos Deputados está em rota de colisão com a cúpula do Democratas desde a eleição de Arthur Lira (PP-AL) para o comando da Casa.

Como a Jovem Pan mostrou, na véspera do pleito, a Executiva Nacional do partido decidiu pela neutralidade na disputa, impondo uma derrota a Maia, articulador do bloco de Baleia Rossi (MDB-SP), escolhido para sucedê-lo. A medida foi tomada para evitar o desembarque formal da sigla do grupo de apoio ao emedebista. Na prática, porém, mais da metade da bancada do DEM votou em Lira, estimam aliados do novo presidente da Casa. Em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, Maia anunciou que deixará o DEM, disse que foi traído por ACM Neto e afirmou que o presidente nacional do partido entregou sua cabeça “numa bandeja para o Palácio do Planalto”.

O presidente nacional do Republicanos, Marcos Pereira, rebateu a publicação de Maia sobre a indicação de João Roma. “ACM Neto não tem participação nenhuma nessa indicação. Inclusive ele me pediu para não fazer, mas eu não tinha condições de retirar o nome do Roma. Se tiver que colocar na conta de alguém, coloque na minha. Dizer que é indicação do Republicanos através da bancada é o correto e a mais pura expressão da verdade. Colocar que Neto tem a ver, é mentira, o que não fica bem para ninguém”, disse Pereira.

Minutos depois, ACM Neto divulgou uma nota, na qual lamenta a indicação de João Roma. No texto, o presidente nacional do DEM também afirmou que a nomeação é uma tentativa de intimidação do Palácio do Planalto e que reforça a sua certeza de que se “manter distante do governo federal é o caminho certo a ser trilhado, pelo bem do Brasil”. “Considero lamentável a aceitação, pelo deputado João Roma, do convite do Palácio do Planalto para assumir o Ministério da Cidadania. A decisão me surpreende porque desconsidera a relação política e a amizade pessoal que construímos ao longo de toda a vida. Se a intenção do Palácio do Planalto é me intimidar, limitar a expressão das minhas opiniões ou reduzir as minhas críticas, serviu antes para reforçar a minha certeza de que me manter distante do governo federal é o caminho certo a ser trilhado, pelo bem do Brasil”, pontuou.